Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




constatação do dia | 4

por Miss Fox, em 21.03.16

Ir correr na Mini-Maratona sem preparação previa adequada não é lá grande ideia.

Estou que não me aguento nas pernas com tanta dor muscular!

 

Nota mental: Don't do that again! 

Autoria e outros dados (tags, etc)

lisboa e eu | 2

por Miss Fox, em 20.03.16

Ao fim de algumas semanas consegui finalmente ter um domingo de dolce far nient (cá em Lisboa). Entre idas ao Alentejo, fins-de-semana a trabalhar e escapadinha a Bruxelas os meus domingos por casa, por Lisboa estavam apagados. Mas hoje, depois de uma manhã a correr decidi que, apesar do cansaço, não me ia deixar ficar em casa. Precisava sair e ir a algum sitio só mesmo por ir, caramba não sei o que isso é há quase 1 mês, e neste que é o primeiro dia de primavera não ia ficar em casa. 

O tempo de facto não estava lá muito primaveril e ao sair de casa deparei-me com alguns pingos de chuva teimosos que me obrigaram a fazer-me acompanhar pelo chapéu de chuva. 

Parti com um ideia na cabeça, algo que ainda não tinha conseguido fazer por falta de tempo, o destino seria a baixa. E o que tinha eu em mente? Abriu há algumas semanas e hoje decidi que estava na hora de ir conhecer a mais recente patisserie de Lisboa. Paul, na Rua Augusta. 

Estava lotada na primeira passagem que fiz, por isso continuei a andar em frente até ao final da Rua Augusta mas não queria atravessar a praça e ir até ao rio, voltei atrás e fez-se luz. Vou fazer algo que também ainda não fiz e que está em agenda há dois anos. Subir ao Arco da Rua Augusta. Fui. A vista é fantástica, para a ponte, para o rio, para a Rua Augusta, para o castelo, a Sé de Lisboa... para qualquer lado que se olhe. A luz, o céu entre nuvens e sol, a brisa do rio... tranquilidade. 2.50€ por pessoa.

Desci e subi a Rua para a minha segunda tentativa no Paul. Consegui, quando entrei vagou uma mesa e logo em seguida ficaram todas vagas. Ficamos imediatamente colados à vitrina que nos exibi aquelas pequenas maravilhas e o difícil é mesmo escolher (os macarons são gigantes). Pedi uma tartelette de morango e um chá. Amei. 5€ por este pequeno deleite - no total -.

Com a boca doce e a alma satisfeita segui o meu caminho. Espreitei os Armazéns do Chiado, fiz umas comprinhas e dei por encerrada a minha tarde de domingo.

Sim, fui sozinha. Mais uma vez só Lisboa e eu. E soube-me muito bem.

paul.jpg

 Mais fotos aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

i did it

por Miss Fox, em 20.03.16

Feito. Corri a Mini-Maratona Vodafone da Meia Maratona de Lisboa 2016.

Sim, leram bem, corri.

Não fiz o percurso todo a correr porque não treinei o suficiente para ter essa resistência e o controlo da respiração mas, a verdade é que consegui correr grande parte do percurso. Parei para respirar e para esperar pela minha companheira de aventura.

Gostei muito desta experiência. A quantidade de pessoas é incrível mesmo que seja só a caminhar. 

Superei-me e fiquei surpreendida comigo mesma. Experiência a repetir brevemente.

Ponto negativo: A ida para a margem sul foi extremamente desconfortável. Os comboios FERTAGUS que nos levaram para a estação do Pragal iam completamente à pinha. Nunca tinha sido tão esmagada em transportes públicos como hoje. 

Nota: Amanhã não haverá musculo nenhum o meu corpo que não me doa.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Nós vamos à Meia Maratona de Lisboa e vocês?

Hoje fui ao CCB à Sport Expo levantar o meu dorsal e a minha t-shirt. A quantidade de pessoas que enchiam a tenda e as que se dirigiam para lá era impressionante, de facto as "corridas" estão in. Acredito que muitas das pessoas com quem me cruzei vão participar - tal como eu - na Mini-Maratona Vodafone mas é louvável a vontade de participar mesmo que seja só para caminhar. 

Gostei bastante do ambiente da Sport Expo, das iniciativas proporcionadas pelos patrocinadores, ideias giras, pessoas a aderir.

Estou surpreendida de forma muito positiva.

Amanhã é o dia esperado, apesar de estar super cansada da viagem e da semana de trabalho estou ansiosa por calçar os ténis e fazer o melhor tempo de prova que conseguir.

Por aí? Alguém vai?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

No passado dia 10 rumei até à capital da Europa, Bruxelas, para um fim-de-semana prolongado. Juntamente com a minha companheira de aventuras, a minha mais que tudo, a minha BF, embarcámos numa aventura de 3 dias e meio por terras belgas e agora vou contar-vos um pouco como foi.

Bruxelas

Chegada

Chegámos ao aeroporto de Bruxelas - Zaventem - com 30 minutos de atraso, o que nos transtornou um pouco os planos mas nada que não se resolvesse. O aeroporto fica a 12km (+/-) de Bruxelas e é bastante simples chegar ao centro da cidade em pouco tempo. Existe um terminal de autocarros no piso 0 e uma estação de comboios no piso -1, assim como táxis também no piso 0. É fácil encontrar o acesso aos transportes, apesar de termos de andar bastante dentro do aeroporto. Nós optámos pelo comboio, por ser mais rápido, para quem prefere chegar rápido à cidade é a melhor opção. Os comboios têm como destino as principais estações e o bilhete custa cerca de 8€ independentemente do destino (Gare de Nord, Central ou Midi), os comboios partem de 15 em 15 minutos +/-.

Estadia

Para a estadia optámos por um apartamento através do Airbnb. Os preços praticados são ótimos e podemos desfrutar do conforto e do acolhimento de uma casa, viver a experiência de conviver com alguém que vive na cidade e partilhar o seu espaço. Ficámos alojadas num apartamento super acolhedor, propriedade do Stefaan, situado na zona norte da cidade, Laeken. O Stefaan recebeu-nos muito bem, colocou-se a nossa disposição e inclusive foi-nos buscar à Gare de Nord de carro (verdadeiro gentleman). Estávamos um pouco afastadas do centro mas facilmente nos deslocávamos e em pouco mais de 10 minutos estávamos na Grand Place, usando o metro.

Metro

Para ser sincera, não gostei do metro. Apesar de ter poucas linhas e de estas não se estenderem por toda a cidade, portanto não seria suposto ser complicado, a verdade é que o primeiro impacto é de uma confusão gigante. É super confuso. As linhas cruzam-se entre si e fazem o mesmo percurso ao longo de várias estações. Uma dica que vos dou é, estudar muito bem o mapa do metro antes e ter a máxima atenção aos cruzamentos entre as linhas. Na mesma linha passam dois metros diferentes e para saber qual vai passar e qual é o que queremos apanhar temos de ver as placas informativas e ver onde a luz de acende. 

Claro que no inicio nos baralhámos imenso e nos enganámos algumas vezes, mas no segundo dia já estávamos à vontade.

Na linha 6 (azul) as carruagens são velhas e muito sujas - detestei - e para abrir as portas temos de usar o manipulo porque só o fecho é que é automático.

O metro é de facto a forma mais fácil de chegarmos onde queremos, mais bem sinalizada, mas se conseguirem utilizem os tram ao máximo. 

Turistar pela cidade

Três dias e meio não é muito tempo para visitar uma cidade, ainda mais se esse tempo tiver de ser dividido por duas. O nosso roteiro tinha como destino Bruxelas mas quisemos também visitar Bruges e escolhemos o sábado para o fazer.

Por Bruxelas, visitámos a maioria dos locais mais turísticos e acabámos também por descobrir alguns espaços bem interessantes. A cidade é pequena e o tempo que disponhamos foi bem aproveitado e suficiente.

O primeiro local que visitámos, já ao final da tarde, foi obrigatoriamente a Grand Place (Grote Markt). Esta praça é o coração de Bruxelas e é considerada a praça mais bela do mundo, nela encontramos o King's Palace e a Town Hall entre outros edifícios datados do séc. XVII. Tê-la visitado pela primeira vez ao pôr-do-sol e com a iluminação de rua a ser ligada pouco depois foi fantástico, a luz de final de dia a incidir nos edifícios finamente decorados com dourados é deslumbrante. Sentimo-nos pequeninos no meio da praça rodeados pelos prédios e pela enorme torre. Podemos encontrar aqui os melhores restaurantes, lojas de chocolates, o Hard Rock Café Brussels, o Museu da Cerveja e também a (uma das) Starbucks. Opções não faltam. As ruas circundantes à praça levam-nos a descobrir alguns icons da cidade como o famoso Manneken Pis e as Comic Book Walls. Les Galeries Royales Saint-Hubert são um local de passagem também obrigatório, pelo simbolismo.

Bem perto da Grand Place encontramos o Mont des Arts que nos conduz até a Rue Ravenstein onde podemos encontrar inúmeros museus como o Magritte, o Museu dos Instrumentos Musicais, o Museu das Belas Artes entre muitos outros e também o Royal Palace of Bruxelles.

Se continuarem nessa rota vão chegar à Rue de la Régence que vos conduzirá ao Grand Sablon. Na Place du Grand Sablon encontram diversas lojas, restaurantes e a Igreja de Nossa Senhora do Sablon.

Para quem gosta de fazer compras não podem deixar de visitar a Avenue Louise, mas não façam como nós, não a visitem ao domingo. Não fazíamos ideia e demos de caras com as lojas todas encerradas. 

Para quem tem uma carteira à altura a Boulevard de Waterloo é o local. Chanel, Cartier e Louis Vuitton são alguns dos nomes que por lá se encontram.

Se estiverem nesta zona sigam a Rue des Quatre Bras, passem pelo Palácio da Justiça e irão encontrar uma das vistas mais bonitas sobre a cidade junto ao Monument à la Gloire de l'Infanterie Belge. 

Obrigatório, Parc du Cinquentenaire.

Se quiserem aventurar-se e caminhar bastante, o Parc de Laeken é um boa opção, aí encontra-se o monumento a Leopold I, as Estufas Reais... 

A alguns metros avistamos um dos mais famosos monumentos de Bruxelas, o Atomium

Como já mencionei, Bruxelas é uma cidade relativamente pequena e ao andarmos um pouco a pé, ao visitar um local acabamos por descobrir outro, continuamos a andar e quando damos por isso estamos no local A ou B (se é que me faço entender). E partindo à aventura neste sentido, de ir andando e descobrindo, encontramos locais interessantes desconhecidos (para nós) e é essa a magia de uma viagem, de descobrir uma cidade. Há sempre algo a descobrir.

Recomendo

Maison Dandoy. As melhores waffles da cidade (minha opinião). Na Rue Charles Buls (perto do Manneken Pis) existe a Tea Room onde encontram waffles, café, chá, gelados... Na Rue ao Beurre (Grand Place) é a Maison propriamente dita, com uma fachada lindíssima e recheada das melhores bolachas belgas. Não podem deixar de provar uma bolacha típica belga chamada spéculoos. Divinal.

Le Comptoir de Mathilde. A loja de chocolate mais TOP de todas, pode não ser a que tem o chocolate de melhor qualidade, pode não ser a mais gourmet mas é para mim a melhor loja de Bruxelas. O espaço em si é giro mas giro, o cheiro a chocolate é maravilhoso e os produtos são de babar... O chocolate quente é obrigatório provar. E vão por mim, vão querer provar e trazer convosco o creme para barrar feito com a bolacha spéculoos. Infelizmente cometi a asneira de meter na mala (levei apenas bagagem de mão) o pote que comprei e foi-me confiscado no aeroporto.

Pierre Marcolini. Se gostam não só de chocolate mas também de macarons, este é um dos locais a não perder. Porque não há só a Ladurée no que diz respeito a macarons. Visitem a loja das Galerias Saint-Hubert (o empregado é bem giro ahah).

La Brouette. Este restaurante situado na Grand Place, mesmo ao lado da Starbucks, é uma excelente escolha se quiserem provar a gastronomia belga. Os mexilhões são um clássico, eu não gosto mas a minha BF provou e aprovou. A minha escolha recaiu sobre um Flamish beef stew que adorei, com um molho de cerveja muito bom e acompanhado obviamente pelas belgian fries - vão comer muitas belgian fries -. O restaurante é muito bonito, muito acolhedor, no inverno é otimo porque tem lareira no meio da sala, os empregados foram cinco estrelas e a comida deliciosa. Preços? Muito acessíveis.

Café Capitale. Esta coffee shop foi uma descoberta inesperada. Numa manhã de domingo bastante fria, ao percorrer algumas ruas em busca das famosas pinturas esbarramos com este espaço, alternativo, trendy, giríssimo e muito cosy. Um café vinha mesmo a calhar, entrámos, vimos e gostámos. Existem três em toda a cidade. 

Chaff. Situado na Place Jeu de Balle, este bistro, resto e bar tem uma atmosfera muito cool quer queiram almoçar, tomar um brunch de domingo ou simplesmente beber um café ou uma cerveja. E se estiver sol a esplanada é otima. Aviso: Ao domingo realiza-se uma feira da ladra na praça e há imensa gente na rua por isso se quiserem passar por lá e apanhar mesa vão cedo.

Pin Pon. Em frente ao Chaff no outro lado da praça encontram o bistro Pin Pon, este espaço é um pouco mais sofisticado, mas ainda assim com o mesmo ambiente descontraído. Os preços dos pratos andam à volta dos 20€.

The Delirium Tremes Café. Se quiserem experimentar as cervejas belgas este é o espaço indicado. Situa-se no Impasse de La Fidélité (Rue des Bouchers) mesmo em frente ao famoso Jeanneke Pis.

(Eu não gosto de cerveja mas provei um pouquinho de uma e não foi desagradável de todo).

TinTin Boutique. Quer gostem ou não de B.D. a loja do Tintin é um espaço a visitar. Esta personagem é o grande icon da B.D. franco-belga e na boutique encontram desde livros, a bonecos de coleção, a t-shirts, etc... os preços são elevados por isso preparem-se para abrir os cordões à bolsa se quiserem trazer uma lembrança.

Bruges

O dia que dedicámos a Bruges foi o sábado. Apanhámos o comboio na Gare du Midi e em menos de uma hora estávamos no nosso destino. Os comboios para Bruges partem ao minuto 4 de cada hora e ao minuto 51. Ao minuto 4 o destino final é Oostende e ao minuto 51 é Knokke. Bruges é a segunda paragem, a primeira é Gent. O bilhete de ida e volta custou 15.20€ e não temos hora marcada, apanhamos o comboio que nos "der mais jeito".

Ao sair da estação não precisamos de apanhar nenhum outro transporte, seguindo em frente e percorrendo as ruas vamos dar ao centro da cidade, da parte histórica que é a zona de interesse. O encanto de Bruges está na zona histórica com os seu edifícios extremamente bem preservados, os canais que percorrem a cidade, e a sensação de que estamos no meio de uma história da Disney e a qualquer momento iremos encontrar um princesa à janela ou um príncipe a cavalo pelas ruas. 

Em Bruges percorrem-se as ruas a pé, sem mapa, sem destino especifico, apenas descobrindo um espaço aqui outro ali. Os monumentos principais estão na praça da cidade, a Grote Markt onde encontramos o Belfort que proporciona uma vista panorâmica da cidade se quiserem subir os mais de 300 degraus até ao cimo e esperar numa interminável fila.

Essencialmente o bom de Bruges é descontrair e caminhar sem direção. Relaxar e desfrutar da paisagem. Podem fazer passeios de barco nos canais, 30 minutos por 8€ ou um passeio de charrete. Restaurantes e lojas não faltam por isso é escolher o que mais agrada. Aproveitem as esplanadas com vista para os canais.

Recomendo

Choco-Story. Museu do chocolate. Mais não é preciso dizer.

2be - The Beer Wall. O nome diz tudo. Cerveja. 

Patisserie Academie. Passamos na montra e ficamos a babar. A pastelaria tem fabrico próprio, os bolos e os doces são otimos e o espaço é muito agradável. Se puderem vão para a esplanada ou peçam para levar porque o serviço na pastelaria custa 1.50€ e na esplanada 0.50€. 

Dille & Kamille. Esta loja de decor é muito, mas mesmo muito gira. Vale a pena espreitar.

Concluindo... A viagem foi curta mas soube muito bem. Viajar é renovador, para a alma para o conhecimento, para tudo e quando o fazemos com a nossa melhor amiga melhor ainda. Percalços? Claro que os houve, que piada teria se não os houvesse? Bruxelas não tem o encanto de Paris, nem a luz de Lisboa, nem o trendy de Londres, nem a movida Madrilena mas é uma cidade agradável, com as suas particularidades e acrescenta-nos sempre algo de bom. Nem que seja o chocolate (ahah)... Gostei. Se quiserem um aventura de 3 ou 4 dias é perfeitamente possível. Basta ir...

belgium.jpg

 P.S: Mais fotos aqui

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

pensamento do dia | 3

por Miss Fox, em 16.03.16

travel3.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

after trip

por Miss Fox, em 15.03.16

Regressar à realidade do dia-a-dia, voltar à rotina de casa e do trabalho depois de uma viagem, ainda que curta, custa. Custa, voltamos cansados, voltamos com uma mala cheia de roupa usada e de lembranças que teremos de desfazer e a vontade não é nenhuma, voltamos e a casa está uma bagunça, voltamos e enfrentamos uma semana de trabalho dura, voltamos e temos centenas de fotos para organizar... voltamos e não queremos acordar para a realidade.

Esta semana estou completamente sufocada... tanto que fazer, tanto cansaço e tão pouco tempo para tudo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

yes, I'm back

por Miss Fox, em 14.03.16

Olá. Bom dia... boa segunda (sobrevivam se conseguirem, vou ter extremas dificuldades em fazê-lo).

Vim só dar um olá e dizer que estou de volta a Lisboa - a melhor parte da coisa - estou de volta à realidade e à rotina (NÃO QUERO!).

A Bélgica ficou para trás, os mini-mini-mini férias também e ontem à noite aterrei em Lisboa. Hoje é dia de trabalho.

Nos próximos dias vou juntar as pecinhas todas do puzzle e escrever o post sobre a viagem. Fotos já há algumas no Instagram e ao longo da semana irei publicando mais algumas.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



A Miss

foto do autor


Follow



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.





Translate me



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Informação

Os posts deste blog são da autoria de Miss Fox e a sua utilização sem a devida autorização é expressamente proibida. Qualquer informação exterior ao blog está identificada com a respetiva fonte. As imagens utilizadas são maioritariamente retiradas da internet.

live, love, laugh